quinta-feira, 2 de agosto de 2007

Foz de Arouce


Lisboa,
1 de Agosto de 1987
06:00
“Hoje, a aventura”

Pousei a caneta, fechei o diário. Na altura não sabia, mas nunca mais o iria abrir, nem sequer para o ler. Ás vezes na nossa vida sabemos que algo vai mudar. Algumas dessas vezes essa mudança é procurada por nós, mas nunca sabemos a amplitude ou a extensão dessa mudança.

Nessa madrugada, ao sair de casa de mochila ás costas e com o walkman a tocar Sade Adu, para uma caminhada que atravessaria meia Lisboa adormecida, era a minha fase mais negra e depressiva que deixava para trás.

Nessa madrugada iria renascer.

Foz de Arouce
1 de Agosto de 1987
18:00
Tinha estado 3 meses num curso de formação de Monitores de Campos de Férias, tinha estado mês e meio em reuniões com a equipa dos “Mais Velhos” a planear e a preparar os 15 dias do NAC3; mas nada, nada, nada me tinha preparado para o que se iria seguir. Em apenas 10 horas tinha interagido com tanta gente quanto num ano. Mas o mais importante foi descobrir que o conseguia fazer de uma forma alegre, bem humorada e capaz de cativar.

Nesse dia e nos seguintes fui a melhor versão de mim, tive uma visão de como poderia ser. Tive a certeza de que não estava condenado a uma vida de solidão e silêncio frio. Para dizer a verdade, ninguém está. Pode julgar que está, mas não está.

Se fizermos o mesmo de sempre, recebemos os resultados de sempre.

Hoje,
Aqui
Eu gosto de situações limite. Situações de “Do or Die”. De “Faz ou Morre”. São situações que nos confrontam com os nossos medos, as nossas crenças e que geralmente, ao optarmos pelo “Do”, verificamos que eram isso mesmo: simples crendices. Pesos mortos na nossa mente que só servem para nos impedir de ser aquilo que queremos e merecemos.

Só evoluímos se sairmos do nosso conforto.


Foz de Arouce
4 de Agosto de 1987
20:00

Fazer anos em Agosto é lixado para um puto. Mesmo no meio das Férias do verão, nunca cá está ninguém para se fazer uma festa. O máximo que eu fazia era um jantar com ou outro amigo (também não tinha muitos mais...) mas festa de anos foi coisa que nunca tive. A partir de certa altura deixei de ligar á data...

Por isso quando, depois do jantar, o João Bastos me parou á saída do refeitório com uma história idiota, eu nem relacionei com a data. Fiquei só a olhar para ele e a pensar “Mas este gajo está parvo...” Nunca imaginei que lá fora o Martinho tinha ido buscar um bolo enorme ao frigorifico, nem que 200 putos e 20 monitores se amontoavam atrás dele para entrarem e cantarem-me os parabéns.

Eu não tinha dito nada! Viram a data de nascimento na minha ficha e prepararam tudo em segredo, com meses de antecedência. Nunca ninguém tinha feito uma coisa dessas por mim! Ninguém!

Foi um choque!


Cento & Doce
4 de Agosto de 2007
21:00H
Convidei 54 pessoas para o meu 43º aniversário. Pessoas “ significantes, significativas e com significado na minha vida” ( A dizer a verdade, deveriam ter sido 56, mas ainda não é a altura para convidar as outras duas) Umas podem ir, outras não. Mas para mim o importante é, por um lado, com o convite, eu validar o papel importante que essas pessoas tiveram ou têm na minha vida; por outro são uma cabal demonstração de que não estamos condenados a nada, a não ser ao que quisermos acreditar.

Haja coragem para sair do conforto e para pagar o preço da mudança.


Talasnal
10 de Agosto de 1987
23:00
Eu acredito que existem sítios que, por qualquer motivo que desconheço, fazem sentido. Sítios onde passado, presente, futuro, o cosmos, se alinha connosco e ... faz sentido! Sítios onde era suposto estarmos para sentirmos, sitios que nos causam um vazio e uma busca sem razão até lá estarmos e tudo ficar claro.

Na serra da Lousã há uma aldeia, que hoje já não é assim tão deserta, chamada Talasnal. Nessa aldeia há uma eira que fica lançada sobre um vale imenso e fundo. Nessa eira, debruçado sobre o vale, eu faço sentido.

Desde esta data todas as grandes alterações da minha vida, foram precedidas ou imediatamente seguidas de uma ida a essa eira. Já lá dormi, já lá chorei, já lá ri, já lá pensei, já lá fui sozinho e em grupo, e já lá fui sem saber se iria voltar.



Foz de Arouce
15 de Agosto de 1987
16:00
Há medida que os miúdos iam entrando nos autocarros os nervos ficavam á flor da pelo. Choradeiras, abraços, promessas de cartas que nunca seriam escritas, amores eternos que acabaria dali a horas, poeira, um sol amarelo e quente.
Falam comigo. Não ligo. Não sei quem é. Talvez sejam todos. Sei que assistia a algo portentoso, a algo que nunca tinha visto e que por isso, me obrigava a gravar na memória. Não quis tirar fotografias porque o papel desaparece. Quis gravar todo em mim. Os meus olhos eram camaras de filmar e ainda hoje, ao escrever estas linhas, as imagens passam por mim como um documentário antigo.

Novamente de mochila, voltava para o mundo real. Um mundo que ainda não era o meu, mas que sabia que um dia seria.

Hoje!

20 comentários:

Blade disse...

A este ritmo para o ano alugamos o Estádio da Luz para o teu aniversário :)

É engraçdo olhar para trás e ver como podemos mudar o que quisermos na nossa vida...

Um abraço,

JPS disse...

Estádio da Luz? Mhhhhh... Parece-me bem!

Nanny disse...

Fazes anos amanhã...?!!!

Quero ver se tenho oportunidade de cá voltar para... te felicitar, pois!

Também estive em colónias de férias, por diversas vezes, e sei bem o quanto são marcantes esses dias tão intensos. Ajudam-nos a construir a personalidade e a conhecer os outros de uma forma diferente... mas eu troquei cartas durante muito tempo... eram outros tempos e ainda se escreviam cartas...

Um beijo e até amanhã

Maríita disse...

:o)! É tão bom ter-te como amigo, manipulador e tudo! Gosto de ti, tal e qual como és...

Beijinhos e até amanhã...

P.S. - Podemos mudar tudo o que quisermos, mas existem pessoas com pouca capacidade para a metamorfose.

teresalex disse...

Finalmente Homem!
O Talasnal é um sítio mágico, mas cada vez mais procurado (o restaurante da Ti Lena tem contribuído para isso). Mas mesmo , mesmo mágico, é Drave....justamente no sítio da eira! A primeira vez que lá fui, encontrei-me!
Entendo-te!...

JPS disse...

NANNY:Fiz anos no sabado, fiz! E foram muito bem feitos!

MARIITA: E mais amiguita! Não só estiveste em companhia de um manipulador expert, como com muitas outras personagens nada recomendaveis. Até um pirata até estava!

JPS disse...

TERESALEX: Tambem tu? Olha que giro... Eu vou lá no final deste mês.

Nanny disse...

Eu bem disse que ía tentar... mas não deu!

Parabéns! (mesmo atrasado, o que conta é a intenção) :D

Tia Concha disse...

Aqui a menina faz aninhos!

Tia Concha disse...

ò meu amigo leão, quando vieres aos norte a gente enche os estadio do dragão!hehehe

Insaciável disse...

Parabéns atrasados mas enfim só agora tive oportunidade de ler.

Beijos e que contes muitos.

Maríita disse...

Estou à espera do post sobre as cabeças fritas, importas-te de escrever?????????????

Beijinhos

Dias... disse...

Notando que ainda não lhe li nada desde que se apoderou dos belos 43, devo presumir que afinal os 40´s têm desvantagens (para alem do toque rectal, queda do cabelo, e perca definitiva dos neuronios)?

Magnólia disse...

Não me digas que tás fechado para balanço?
Cadê o menino?
Desde dia 2 de Agosto??
Hummmmm.....

teresalex disse...

Também estive fora...e o Talasnal?????

Pluma(princesavirtual) disse...

Antes de mais deixo-te aqui os meus parabéns atrazados :) nesse dia estava a milhares de Kms daqui e tem piada que também estava a festejar um aniversário...

E agora aproveito para te dizer que gostei deste teu «exerto» de diário do passado e presente :)

Beijos (recatados está claro) e se for caso disso a continuação de umas exelentes férias :)

adam brown disse...

Hi again, see tthis is the site i told you i signed up to. It has some nice information about how to make money using OPP, i think you might find it interesting. here it is. bye!

luafeiticeira disse...

Pior é fazer anos no Natal, como eu.
jocas

TheDreadMan disse...

Encontrei o teu blog por mero acaso, nem sou de escrever comentários às crónicas que leio, mas ao ler esta tua dissertação sobre um lugar que bem conheço fizeste-me regressar ao passado. Fui colono nessa maravilhosa colónia de férias, onde acontecem todos esse sentimentos que descreves e outros mais. O mais engraçado é que provavelmente estivemos lá na mesma altura (mês e ano), mas o único nome que me ficou na cabeça foi mesmo do Martinho, principalmente pela pessoa que era e pelo presente que deu aos colonos mais velhos brindando-nos com 24h de música non-stop.
Obrigado por me fazeres voltar ao passado que me foi grato, que me fez crescer!

Parabéns atrasados.

Gonçalo disse...

tal como o thedreadman, cheguei aqui por acaso. O Martinho, os NAC5/NAC6 (quando as férias grandes ainda lá chegavam), os carnavais na Covilhã... Que memórias!